Ela caiu e lá em casa ela já não entra há tempos….

07/05/2008 at 22:36 Deixe um comentário


Campanha do Greenpeace no YouTube faz Unilever ceder
Aaron O. Patrick, The Wall Street Journal, de Londres
02/05/2008

A Unilever fez da Dove uma marca bilionária com propagandas que promovem a auto-estima das mulheres. Mas, nas últimas semanas, o grupo ambientalista Greenpeace divulgou paródias dos anúncios, com acusações de que a empresa está destruindo as florestas tropicais da Indonésia com sua fome de óleo de palma, ingrediente essencial na fabricação de sabonete e margarina.

O Greenpeace comemorou ontem uma vitória importante, quando a gigante dos alimentos e produtos de limpeza voltou atrás e anunciou que apenas comprará óleo de palma de fornecedores que comprovarem que não destruíram florestas.

A rapidez da campanha marca um momento crucial para os grupos de ativistas. A propaganda do Greenpeace está no YouTube.com há apenas uma semana e já foi assistida 250.000 vezes. Da mesma maneira que as maiores empresas do mundo, como a Unilever, têm usado a internet para divulgar suas propagandas, ativistas passaram a usar o meio para disseminar suas mensagens de modo rápido e barato. Procure “Dove” no YouTube e a propaganda do Greenpeace é a primeira a aparecer nos resultados da busca.

Durante uma conferência em Londres sobre mudanças no clima, Patrick Cescau, diretor-presidente da Unilever, pediu uma moratória no desmatamento da Indonésia pelos produtores de óleo de palma, uma das exigências mais importantes do Greenpeace. Antes, a Unilever argumentava que a moratória prejudicaria a oferta mundial de óleo de palma.

Um porta-voz da Unilever disse que os protestos do Greenpeace “tiveram alguma influência, mas muito pouca” na decisão da empresa em relação ao óleo de palma. Ele disse que a nova política estava nos planos desde novembro.

Mas o Greenpeace tomou para si o crédito. Ele atacou os sabonetes e cremes da Dove porque “todo mundo já ouviu falar dessa marca”, disse o diretor-executivo do grupo, John Sauven. “É a face mais pública da empresa”.

A imagem do Dove como uma marca sensível e inclusiva também colaborou com a estratégia do Greenpeace. Numa campanha que atraiu a atenção do mundo e rendeu prêmios, a Unilever reposicionou a Dove desde 2004 como uma marca que valoriza a individualidade das mulheres e rejeita o estereótipo da mulher perfeita. O Greenpeace se inspirou na campanha Pela Real Beleza, criada pela agência Ogilvy & Mather, da WPP Group.

Os panfletos do Greenpeace mostram fotos de orangotangos ao lado de duas opções: “gorgeous or gone?”, algo como “belo ou extinto?”. Uma das propagandas da Ogilvy mostrava uma fotografia de uma mulher mais velha ao lado de duas opções: “enrugada ou encantadora?”

A equipe do Greenpeace refez um vídeo da Dove chamado Evolução, pelo qual a Ogilvy ganhou o prêmio mais importante do festival anual da propaganda em Cannes, na França. Ele mostra como a indústria da moda pode alterar a imagem de uma modelo para torná-la mais atraente. A propaganda do Greenpeace exibe uma série de imagens de desmatamento, orangotangos morrendo e produtos da Dove nas prateleiras de supermercados. “Fale com a Dove antes que seja tarde demais”, diz a legenda do vídeo.

Grandes empresas são alvo freqüente de ecologistas e outros ativistas que defendem mudanças em suas operações ou na de seus fornecedores. A WWF, uma ONG ecológica de abrangência mundial, divulgou propagandas no jornal britânico “Financial Times” em que denunciava gigantes como a Royal Dutch Shell.

O porta-voz da WWF, David Cowdrey, afirmou ontem que o Greenpeace merece um pouco de crédito pela decisão da Unilever. “Tenho certeza que ajudou, mas não acho que tenha sido o principal fator”, disse ele.

“As ONGs e grupos de ambientalistas estão muito espertos hoje em dia”, diz Hugh Hough, presidente da Green Team USA, uma agência de publicidade especializada em marketing ecológico.

A Unilever, uma das maiores consumidoras de óleo de palma do mundo, informou que implantará gradualmente durante os próximos sete anos a sua nova política para os fornecedores.

O óleo de palma, também conhecido no Brasil como óleo de dendê, é produzido principalmente na Indonésia e na Malásia. A alta do óleo contribuiu para o desmatamento, especialmente na Indonésia, para dar espaço às plantações de palmeiras.

Ao custo de 50.000 libras (cerca de US$ 100.000), a campanha do Greenpeace saiu no jornal “London Times”, em panfletos distribuídos em Londres e na página do Greenpeace no YouTube.

A Unilever demonstrou astúcia ao responder à pressão do Greenpeace, porque o grupo tem muita experiência e credibilidade quando se trata de questões ecológicas, diz Marie Ridgley, diretora da Added Value, uma consultoria de marcas da WPP. A Unilever “não pode fingir que é perfeita e ninguém espera que seja”, diz ela.

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

BRASIL, SOBERANO.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


maio 2008
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

@lucasparisi

Erro: o Twitter não respondeu. Por favor, aguarde alguns minutos e atualize esta página.


%d blogueiros gostam disto: