Excluíram Deus do mundo e as pessoas ficaram burras…por hora, também, ALIENADAS!

22/11/2007 at 19:06 2 comentários

Ola Leitores,
em minha continua busca por assuntos relacionados ao caos da educação nacional e o “apagão de mãos-de-obra” qualificada em nosso País, – isso lembrando que faz parte de meu projeto pra politica em 2008 – tenho lido jornais de grande impacto no meio intelectual.
Tenho lido com frequencia os Valor Economico, Folha de S. Paulo, A Tribuna, Jornal do Brasil, Estado de Minas e escutado programas de rádio como CBN e Voz do Brasil (nunca imaginava isso!!!)
Nesta pesquisa e ouvindo e buscando compreender o espirito de epoca que paira sobre nós achei ontem uma matéria de um Doutor em Teologia chamado ALVORI AHLERT.
Esta matéria tem em especial, que no meio desta pesquisa e outras coisas, descobri que Lutero, reformador, escreveu textos sobre a educação mundial e em um deles,de nome: Uma prédica para que se mandem os filhos à Escola – escrito em 1530. Pois é, mais uma fonte de pesquisa que certamente mudou todo meu rumo do projeto sobre Capital Humano, afinal, achei bases cristãs, que ilustram o titulo deste que vcs lêem.

Mas vamos por partes!
Vou colocar aqui o texto de Alvori Ahlert antes de escrever o texto de Lutero.
Segue abaixo e vale muito a pena ler, sendo você cristão ou não.

Educação Pública: desafios da Reforma Protestante

Em 31 de outubro comemora-se o Dia da Reforma Protestante. Nesta data, em 1517, um monge agostiniano de nome Martim Lutero fixou na porta da igreja do Castelo de Wittenberg 95 teses, com as quais desencadeou o movimento da reforma da Igreja no século XVI. Este ato impactou o início da Modernidade e atingiu as sociedades européias em muitas áreas para além da religião. E uma das áreas da vida humana que recebeu forte influência foi o da educação.

Os dois principais escritos de Martim Lutero sobre a educação foram: Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha, para que criem e mantenham escolas cristãs, publicado em 1524, e Uma prédica para que mandem os filhos para a escola, de 1530. Neles, estão afirmações sobre a necessidade urgente de uma ampla ação em favor da educação do povo. Em Aos conselhos de todas as cidades da Alemanha, para que criem e mantenham escolas cristãs, Lutero objetiva estimular e desafiar a sociedade para a responsabilidade com a educação e a formação da juventude. O desenvolvimento de um indivíduo temente a Deus, responsável e ético, com capacidade de vivenciar sua liberdade, requer pessoas bem instruídas. E Lutero percebe um abandono destes compromissos. A transição de um mundo medieval, onde tudo é abarcado pelo contexto religioso, para um mundo laico deixou as pessoas sem perspectivas, porque o velho modelo de vida estava desaparecendo e o novo ainda estava indefinido. Com isso houve um desinteresse pela educação. “Em primeiro lugar, constatamos hoje em todas as partes da Alemanha que as escolas estão abandonadas. As universidades são pouco freqüentadas e os conventos estão em decadência. […] Sim, porque o povo carnal se dá conta de que não pode mais colocar os filhos, as filhas e os parentes em conventos e instituições. Já não pode mais expulsá-los de casa e deixar que vivam às custas de estranhos. Por isso ninguém mais quer proporcionar ensino e estudo aos filhos. Dizem: Pois é, o que vão estudar se não podem tornar-se padres, monges e freira? Tem que aprender alguma profissão com que possam sustentar-se.” (LUTERO, Martim. Educação e reforma. São Leopoldo: Sinodal, 2000, p. 8-9)

Mas talvez o mais importante nos escrito de Lutero sobre educação para a atualidade esteja na sua concepção de uma educação pública, universal e gratuita, para quem não pode custeá-la. Neste sentido, acertadamente Lorenzo Luzuriaga vê na Reforma a gênese da educação pública. “A educação pública, isto é, a educação criada, organizada e mantida pelas autoridades oficiais – municípios, províncias, Estados – começa, como dissemos, com o movimento da Reforma religiosa no século XVI.” (LUZURIAGA, Lorenzo. História da educação pública. São Paulo: Nacional, 1959, p. 5) Em primeiro plano, a educação, segundo Lutero, é tarefa dos pais, mas é compromisso precípuo das autoridades em todos os níveis, porque, na sua concepção, nenhum pecado mereceria maior castigo do que deixar de educar uma criança. E educar bem as crianças significa ter uma estrutura social que garanta este acesso indistintamente para todas elas, isto é, também para as crianças pobres ou para as crianças cujos pais não dão valor nenhum à educação. Daí ser necessário manter gente especializada para esta tarefa, gente mantida comunitariamente. É tarefa do Estado garantir educação para todos. “Por isso certamente caberá ao conselho e às autoridades dedicarem o maior esforço à juventude. Sendo curadores, foram confiados a eles os bens, a honra, corpo e vida de toda a cidade. Portanto, eles não agiriam responsavelmente perante Deus e o mundo se não buscassem, com todos os meios, dia e noite, o progresso e a melhoria da cidade. Agora, o progresso de uma cidade não depende apenas do ajuntamento de grandes tesouros, da construção de muros, de casas bonitas, de muitos canhões e da fabricação de muitas armas. Inclusive, onde há muitas coisas desse tipo e aparecem alguns loucos, o prejuízo é tanto pior e maior para a aquela cidade. Muito antes, o melhor e mais rico progresso para uma cidade é quando tem muitas pessoas bem instruídas, muitos cidadãos sensatos, honestos e bem-educados. Estes então também podem ajuntar, preservar e usar corretamente riquezas e todo tipo de bens”. (LUTERO, 2000, p.19)

Assim, temos em Lutero o início da escola público-comunitária, ou seja, uma escola que deve ser tarefa dos pais, do Estado e de quem pode financeiramente ajudar a mantê-la. A grande tarefa da escola é a formação de um cidadão (entendido aqui como um habitante do burgo ou da cidade) honesto, responsável, capaz e preparado para todas as tarefas importantes que a nova divisão do trabalho e a organização das cidades em crescimento requeriam paulatinamente. “Uma cidade tem que ter pessoas assim. A sua falta é sempre uma grande necessidade e a queixa mais freqüente.” (LUTERO, 2000, p. 20) Com este pioneirismo em educação, Lutero esteve muito à frente de seu tempo, o que, no nosso entender, ainda não tem sido suficientemente reconhecido pela historiografia educacional.

ALVORI AHLERT. Doutor em Teologia, Área Religião e Educação, pelo IEPG/EST, Mestre em Educação nas Ciências, pela UNIJUÍ, RS, Professor Adjunto da Universidade Estadual do Oeste do Paraná-UNIOESTE, membro do Grupo de Pesquisa Cultura, Fronteira e Desenvolvimento Regional. E-mail: alvoriahlert@yahoo.com.br .

Fonte :
ALVORI AHLERT
Data :
2007-10-25

Abraço a todos e vamos cada um chupando a manga. Oh maravilha Deus…

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

Mais uma de capital humano… É óbvio que as politicas públicas afirmativas do governo são excludentes!

2 Comentários Add your own

  • 1. soldadonofront.blogspot.com  |  10/12/2007 às 14:58

    Alienadas com certesa.

    Responder
  • 2. soldadonofront.blogspot.com  |  10/12/2007 às 14:58

    Alienadas com certesa.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


novembro 2007
D S T Q Q S S
« out   dez »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

@lucasparisi


%d blogueiros gostam disto: