Projeto CAPITAL INTELECTUAL

29/10/2007 at 21:16 Deixe um comentário

Em pesquisa por matérias em jornais sobre o caos da educação brasileira e meu projeto para politicas publicas de inclusão pela educação aqui em Belo Horizonte/MG sempre acho em jornais matérias referindo ao tema.

Mais uma da Folha de S. Paulo de sábado 27/10/2007

Leiam:

Na educação, municípios declaram que principal medida é capacitar professores
DA SUCURSAL DO RIO

Pela primeira vez, a pesquisa Perfil dos Municípios Brasileiros investigou as políticas públicas mais adotadas na educação. O resultado mostrou que a ação mais comum que os municípios declararam adotar foi a capacitação de professores, com 85% dos gestores afirmando que esta medida estava entre as cinco mais importantes, seguida do combate à evasão (60,3%).
Poucos municípios declararam colocar entre as cinco maiores prioridades a contratação de professores (27,5%), a regulamentação e valorização da carreira do magistério (33,3%) e a autonomia financeira da escola (9,9%).
A baixa prioridade à contratação de professores não é necessariamente indicador de que o município investe pouco no professor. Isso porque os municípios são responsáveis principalmente pela educação infantil (0 a 5 anos) e pelo ensino fundamental (6 a 14), setores onde os últimos censos escolares do Ministério da Educação têm verificado diminuição no número de alunos por causa das quedas nas taxas de fecundidade e das melhorias das taxas de transição escolar.
Estudos feitos pelo ministério e pelo Conselho Nacional de Educação apontam que o principal problema do déficit de professores está no ensino médio -de responsabilidade principal dos Estados.
A regulamentação e valorização da carreira do magistério, item citado por apenas um terço dos municípios, é um dos pontos indicados pelo MEC como diferencial para a qualidade do ensino. Tanto que o ministério, no Plano de Desenvolvimento da Educação, exige que municípios com piores indicadores educacionais adotem esta medida para receber recursos federais.
Vânia Pacheco, gerente do Projeto de Pesquisa de Informações Básicas Municipais, explica, no entanto, que o fato de um município não ter citado a contratação ou regulamentação do professor não significa que ele não tenha tomado medidas nessas áreas, mas, sim, que outras medidas foram consideradas mais prioritárias.

Gastos
A pesquisa mostrou que os municípios gastam em educação, em média, 23% das despesas totais arrecadadas. As cidades que mais investem, proporcionalmente, recursos no ensino são as do Norte e Nordeste (27,3% e 28,7%).
Mas, como a capacidade de arrecadação desses municípios é menor do que a das cidades do Sul e Sudeste, quando se analisa o total investido em educação por todos os municípios brasileiros, verifica-se que as prefeituras da região Norte respondem por somente 6,5% desse bolo, enquanto as do Nordeste representam 24,9%.

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

PROJETO CAPITAL INTELECTUAL Mais uma de capital humano…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


outubro 2007
D S T Q Q S S
« set   nov »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

@lucasparisi


%d blogueiros gostam disto: