Pensa povo, pensa!

02/10/2007 at 20:29 Deixe um comentário


Ola leitores.
Eu sempre leio a Folha no final da tarde. On line mais vezes!
Quando nao consigo escrever, por motivos diversos, dentre eles o fato de ser um brasileiro, em assenção e por isso pouco dotado de tempo$.
Uma das colunas que gosto é de Cony, que tb comenta Brasil na rádio CBN. Hj o texto dele achei muito pertinente â atual situação de nosso BRASILZÂO. Essa brincadeira dele com a realidade do mito grego antigo e a “real” realidade de nossos tempos hoje foi fatídida no texto abaixo.

Segue-se:

CARLOS HEITOR CONY

Homens e idéias
RIO DE JANEIRO – Consta que Diógenes, com o sol mediterrâneo lambendo forte os mármores clássicos de Atenas, saía do tonel em que vivia e, de lanterna acesa, andava pelas ruas espantando a todos que o julgavam louco. Com tanto e tamanho sol, a luz de uma lanterna era, além de um pleonasmo, a prova de uma demência em progresso.
Perguntaram ao filósofo o que ele fazia com aquela lanterna cuja luz nem iluminar podia o que já estava suficientemente iluminado. Diógenes respondeu que estava procurando um homem. Consta também que era visto pedindo esmola às estátuas que ia encontrando pelo caminho, aquelas estátuas de olhos vazados, que nada enxergavam e nada escutavam, modelos de beleza e insensibilidade às súplicas humanas. Por essas e outras, além de demente foi considerado cínico.
Se vivesse no Brasil de hoje, não seria nem demente nem cínico, e talvez nem filósofo pudesse ser.
De suas manias antigas só manteria o domicílio dentro um tonel, sem pagar IPTU nem taxa de incêndio e condomínio. Não teria estátuas pelas ruas para pedir esmola. Com muita sorte, poderia habilitar-se a um dos programas do governo, ao Fome Zero, por exemplo, se é que ainda existe este programa inaugural do primeiro mandato do presidente Lula -a quem abracei cordialmente na ABL na semana passada.
Restaria a Diógenes andar de lanterna acesa pelos 8,5 milhões de quilômetros quadrados do território nacional, procurando aquilo que considerasse “um homem”. Ele ignoraria aquela constatação atribuída a Oswaldo Aranha, segundo a qual o Brasil é um deserto de homens e de idéias.
Desanimado, acabaria comprando a próxima e suculenta edição da “Playboy” para ver a Mônica Veloso pelada. E compreenderia por que nos faltam homens e idéias.

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

FIM DA PICADA (hj no caderno Ciência da Folha de S. Paulo A Era Pós-Putim (Rússia)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


outubro 2007
D S T Q Q S S
« set   nov »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

%d blogueiros gostam disto: