Sou contra a pedofilia…e o movimento GLBT é a favor!

30/07/2007 at 21:28 1 comentário

Não podemos deixar que a política se envolva em aprovação de leis a favor da pedofilia, que o movimento GLBT quer transformar em “moral”.

Sendo contra a PLC 122/06, pesquisando meus jornais da Folha, encontrei uma matéria que afirma que a homossexualidade na grécia antiga não era liberada e nem tao manifestada assim, mas era um sistema de indução política, desprezo à mulher e sodomização das crianças e adolescentes.

Abaixo segue o texto..

fonte: Folha de São Paulo 17 de Junho de 2007

Um assunto DE HOMENS
Obra pioneira defende que a homossexualidade na Grécia Antiga decorreu da vida militar e da segregação social das mulheres

PEDRO PAULO A. FUNARI ESPECIAL PARA A FOLHA

Há quase 30 anos, o classicista britânico Kenneth Dover [1920] publicava este que viria a se tornar um clássico. Antes que o tema das relações de gênero se espraiasse entre os historiadores, antes de Michel Foucault [1926-84] publicar sua monumental “História da Sexualidade” [ed. Graal], um estudioso das letras gregas ousava tratar desse tema tabu.Dover já se havia notabilizado, em 1960, no estudo da ordem das palavras em grego antigo! Continuou a dedicar-se, nos anos seguintes, a temas literários. Foi com a publicação do volume sobre a homossexualidade, em 1978, que seu nome transcendeu os departamentos de letras clássicas para atingir uma popularidade talvez inesperada pelo próprio autor.No explodir das identidades sexuais, a partir da década de 1960, este livro veio preencher uma lacuna, ao mostrar como a sexualidade antiga era diferente da moderna. Dover não faz uso de teorias para abordar o tema. Não se aventura nas leituras antropológicas das diferenças de costumes entre os povos nem se atreve a adotar uma perspectiva teórica.Procura, ao invés disso, esmiuçar as fontes antigas, tanto literárias quanto arqueológicas, na ânsia de descrever, da maneira mais exaustiva possível, como os gregos mantinham relações sexuais com pessoas do mesmo sexo. Por isso mesmo, resigna-se a tratar pouco das mulheres.Erudito e acessívelRessalta que a arqueologia fornece informações que não são mera ilustração da literatura, mas que pinturas e inscrições constituem fontes independentes. Apesar de erudito, pleno de análises do vocabulário grego, a leitura é agradável e acessível.A tese central é a de que o eros (desejo) se exercia numa oposição entre o que deseja (“erastés”) e o que é desejado (“erômenos”), termos que se aplicavam para um homem e uma mulher ou entre duas pessoas do mesmo sexo.Aliás, Dover lembra que todas as palavras para o amor e para a sexualidade tinham essa função independentemente do sexo dos envolvidos.Identifica o que deseja como o que penetra e o desejado com o que é penetrado e considera que os gregos nada objetavam a um homem que fosse ativo, mas não aceitavam que fosse passivo senão quando criança ou adolescente. Mesmo nesse caso, pensa que os gregos não admitiam que um jovem tomasse a iniciativa do sexo passivo. Se isso ocorresse, o homem submisso seria punido pela cidade, por falta de controle sobre si mesmo (“húbris”). A penetração era sempre positiva para o homem, ser penetrado era aceito, sempre que fosse um jovem a ser educado por um adulto e sem a sua iniciativa. De onde viria tal tolerância -para usar uma palavra empregada por Dover- para com as relações de homens com homens? Aventa a hipótese de que isso estivesse ligado à segregação das mulheres e à vida militar masculina. Satisfaria uma necessidade de relações pessoais com uma intensidade que não era encontrada no casamento.Como resistem esses argumentos, após décadas de teoria de relações de gênero? Um dos pilares da argumentação de Dover consiste na censura da cidade grega ao desejo por parte do jovem passivo, mas no postscriptum de 1989, publicado ao final do livro, ele admite que subestimou as evidências.A questão central, contudo, é outra.Dover parte do conceito antigo de respeito à norma (“nomos”), como se as pessoas, na Grécia Antiga ou em qualquer época e sociedade, respeitassem ou tivessem como horizonte para seus comportamentos as regras. Essa perspectiva, chamada hoje de normativa, tem sido muito criticada, pois considera que tudo que saia da norma é um desvio de comportamento e que a sociedade é homogênea. Se aceitarmos que os comportamentos sociais são muito mais variados do que quaisquer normas (e que as normas são contraditórias!), tudo fica mais matizado. Essas são ponderações posteriores à publicação da obra e não podem ser dela cobradas. O seu mérito maior foi reunir uma documentação volumosa, e, por isso mesmo, o livro continua uma referência.PEDRO PAULO A. FUNARI é professor titular de história antiga na Universidade Estadual de Campinas (SP).
HOMOSSEXUALIDADE NA GRÉCIA ANTIGAAutor: Kenneth DoverTradução: Luís S. KrauszEditora: Nova Alexandria(tel. 0/xx/11/ 6215-6252)Quanto: R$ 65 (350 págs.)
Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

O utilitarismo, agora barato, tomou conta de nosso "zeitgeist". PAUSA PRO LA NACION DE HJ…A PÓS-MODERNIDADE

1 Comentário Add your own

  • 1. Alexandre Magno  |  28/11/2008 às 14:31

    “Movimento GLBT” é uma expressão que hoje designa um grupo de pessoas. É injusto colocar todo esse grupo como equivalente a um outro grupo de um passado distante, que viveu uma cultura distinta. Que sofisma grosseiro!

    Se você quer fazer apologética, faça direito. Ore. Peça “iluminação”. Não esqueça de pensar, usar a razão (lógica).

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


julho 2007
D S T Q Q S S
« jun   ago »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

@lucasparisi


%d blogueiros gostam disto: