A IGREJA CATÓLICA E SUA CRISE DE IDENTIDADE..

18/07/2007 at 19:46 4 comentários

Uma matéria no caderno Mais! deste domingo na Folha.

leiam e opinem se acharem legal.

abraços,
Lucas

São Paulo, domingo, 15 de julho de 2007

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Cristo salva
MARIA CAROLINA ABE
DA FOLHA ONLINE

A retomada da missa tradicional, com partes rezadas em latim e o padre de costas para o público, atrairá mais fiéis para a Igreja Católica. Ao menos é o que afirma o padre francês Philippe Laguérie, que conversou com a Folha na quarta-feira, em São Paulo.
“Se as missas fossem feitas no modo tradicional, as igrejas estariam cheias. Toda vez que a liturgia é deteriorada, as igrejas se esvaziam”, diz Laguérie, nomeado pelo Vaticano como fundador e superior geral do Instituto Bom Pastor.
O órgão foi criado pelo papa Bento 16 em setembro do ano passado, com sede na Arquidiocese de Bordeaux, na França.
No início deste mês, o Vaticano divulgou um “Motu Proprio” -documento que o papa escreve por iniciativa própria, e não como resposta a uma solicitação- assinado por Bento 16 que facilita aos padres de todo o mundo celebrarem a missa tradicional, baseada na liturgia estabelecida pelo papa João 23, em 1962.
Essa missa tradicional (ou tridentina) era rezada antes das mudanças feitas pelo Concílio Vaticano 2ø (1962-65), que introduziu a nova forma de celebrar a missa, com a possibilidade de uso do idioma local.
A missa tradicional em latim nunca foi oficialmente suspensa, mais caiu em desuso. Em 1982, João Paulo 2ø decretou que, para rezá-la, seria necessário pedir permissão ao bispo da diocese.
Leia a seguir entrevista com o padre Philippe Laguérie.

FOLHA – A retomada da missa tradicional causou grande repercussão devido a um trecho em que cita os judeus. Como avalia a polêmica?
PHILIPPE LAGUÉRIE – Na missa propriamente dita, essa que é celebrada todos os dias, não há nada, nenhuma referência aos judeus.
Existia uma referência aos judeus na liturgia da Sexta-feira Santa, que não é uma missa. Reclamava-se de um texto que falava dos “pérfidos judeus”, mas ele foi suprimido pelo papa João 23, justamente a missa que o papa acaba de ressuscitar. Então, essa é uma falsa questão.

FOLHA – Mas a liturgia da Sexta-feira Santa ainda mantém a afirmação de que os judeus necessitam ser esclarecidos sobre Jesus Cristo [“Oremos pelos judeus, para que Deus retire o véu que cobre seus corações e lhes faça conhecer nosso senhor Jesus Cristo”].
LAGUÉRIE – Certamente, eles têm de ser esclarecidos sobre a divindade de Jesus Cristo. Pede-se que os judeus, os muçulmanos, os infiéis de maneira geral sejam esclarecidos sobre Jesus Cristo.
Fala-se de 15 categorias de pessoas -os catecúmenos, os hereges, os cismáticos, os pagãos-, pede-se a todos que conheçam a luz de Cristo.
Pede-se até que sejam esclarecidos o papa, os bispos e todo o clero a respeito da divindade de Cristo, que conheçam a luz de Cristo. Então, não há nenhuma referência especial aos judeus.

FOLHA – Na terça passada, o Vaticano publicou outro documento, que traz a idéia de superioridade da Igreja Católica sobre as demais igrejas cristãs, ao afirmar que a igreja de Cristo é a Igreja Católica. O sr. pode esclarecer esse ponto?
LAGUÉRIE – O que o papa diz no documento é que a afirmação do Concílio de que “a Igreja Católica subsiste na igreja de Cristo” significa “a Igreja Católica é a igreja de Cristo” ainda com mais força. Não só diz que a Igreja Católica é a igreja de Cristo atualmente mas que sempre o foi, desde o início. Além disso, o papa define quem a Igreja Católica reconhece como igreja.
Ele admite que se chamem de igrejas as ortodoxas, porque elas conservaram o sacerdócio, a sucessão apostólica [o fato de os padres serem ordenados uns pelos outros] e a missa católica.
Embora possam ser chamadas de igreja, não são igrejas de Cristo, porque não têm a comunhão com Roma, condição essencial para ser igreja de Cristo.
Porém o papa não reconhece o nome de igreja a todos os movimentos surgidos da Reforma protestante, porque eles não têm a doutrina católica.
Não é o objetivo do documento estabelecer um “hit parade” das igrejas, dizer qual é a melhor, mas definir quem é igreja ou não segundo o Vaticano.

FOLHA – Como será tomada a decisão de rezar a missa tradicional?
LAGUÉRIE – Existe a liberdade de qualquer padre decidir rezar a missa antiga. Ele pode receber fiéis para assistir à missa, mas continua sendo uma missa privada [missa que o padre reza por iniciativa própria e que não pertence à programação oficial da igreja, mesmo tendo público].
Para que haja uma missa na paróquia, uma missa pública, é preciso que um grupo de fiéis estável faça o pedido. Se o pároco não atender a esse pedido dos fiéis, eles devem procurar o bispo, que deve fazer todo o possível para atender aos fiéis.
Caso isso não ocorra, então se deve recorrer à Comissão Ecclesia Dei, em Roma.

FOLHA – Quais as principais diferenças entre a missa tradicional e a missa rezada hoje?
LAGUÉRIE – Há muita, muita, muita diferença. Em primeiro lugar, na missa antiga, todos rezam voltados para Deus e voltados para o Oriente, onde nasce o sol, que simboliza a luz de Cristo e o surgimento da verdade. Somente na explicação do Evangelho, nas leituras e no sermão, o padre se volta para o povo, pois está se dirigindo a ele. Na missa nova, o padre reza sempre voltado para o povo.
A segunda diferença é a língua sagrada, o latim. Nós não nos dirigimos a Deus na mesma língua que usamos nas compras, nos negócios, no dia-a-dia.
Sempre houve na igreja, mesmo no Oriente, uma língua sagrada para falar com Deus. Na Síria, rezava-se a missa em aramaico; na Judéia, rezava-se a missa em siríaco. Em terceiro lugar, os próprios textos da missa são diferentes: na missa nova não se fala mais do sacrifício nem do pecado nem da vida eterna nem da redenção.

FOLHA – Essa volta à missa antiga pode ser vista como exemplo de um retorno da Igreja Católica, sob Bento 16, ao conservadorismo?
LAGUÉRIE – A nova missa corresponde à teologia dos anos 1960. A missa antiga, a uma teologia que foi eterna na Igreja Católica.

FOLHA – Existe alguma estimativa do número de católicos adeptos desse rito antigo?
LAGUÉRIE – Duas pesquisas feitas na França em maio, por institutos não-católicos, constataram que 68% dos franceses, mesmo não-católicos, se diziam adeptos da missa tradicional.

FOLHA – A idéia que se tem é justamente a inversa: que a missa rezada em latim pode afastar os fiéis. Como o sr. explica isso?
LAGUÉRIE – O papa disse que, de fato, recuou muito o conhecimento do latim e que isso pode diminuir a demanda pela missa tradicional. Mas não é preciso conhecer latim para apreciar a missa antiga.
Além disso, o papa nota que, quando se suprimiu a missa tradicional, acreditava-se que as pessoas que seguiam ligadas a ela eram velhos, nostálgicos.
Mas o que se vê é justamente o contrário: há uma preponderância de jovens pedindo a volta da missa antiga.

FOLHA – Hoje, no Brasil, as missas tradicionais acontecem somente com autorização dos bispos?
LAGUÉRIE – Sim, existem algumas missas privadas. Sempre há missas em Campos (RJ), onde há um instituto de padres que rezam a missa antiga.
O Instituto Bom Pastor está justamente procurando igrejas para transformar em paróquias pessoais [paróquias que têm controle sobre um grupo de pessoas, e não sobre uma área geográfica, como ocorre com as paróquias convencionais].

FOLHA – Nesse contexto de mudanças na Igreja Católica, qual o papel do Instituto Bom Pastor, ao qual o sr. pertence?
LAGUÉRIE – O instituto é um balão de ensaio do “Motu Proprio” e também uma chamada para a reaproximação com a fraternidade de são Pio 10ø, dado que todos os membros iniciais do instituto vieram desse grupo.

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

O POVO ANDA MUITO OPRIMIDO…QUE MUNDO É ESTE Crise aérea brasileira | Lá Nacion hoy @ Argentina

4 Comentários Add your own

  • 1. Teologia com Graça  |  19/07/2007 às 22:50

    E#stou respondendo o seu post em nosso blog.
    Prezados amigos Isabella Passos e Lucas Castro, muito obrigado pela vossa participação no Teologia com Graça. Você além de ser “alguém tão importante para Deus”, lembra da velha música, pois bem, pode participar assiduadamente de nosso blog, aliás, deixa de falsa modéstia pois quem dialóga com o pensamento complexo de Schopenhauer, está habilitado para discutir questões simples em nosso blog.
    A respeito do livro, a obra pode ser adquirida em Belo Horizonte na loja da CPAD (Rua São Paulo, 1371, Loja 1 , Centro, Belo Horizonte, MG. Fone (31) 3224-5900. Nosso gerente é o prestimoso Geziel Vieira Damasceno), ou então, pelo site da cpad ou clicando no ADQUIRA JÁ que abrirá uma página no site da cpad.
    Muito obrigado e que Deus o abençoe.
    Esdras Costa Bentho

    Responder
  • 2. Teologia com Graça  |  19/07/2007 às 22:50

    E#stou respondendo o seu post em nosso blog.Prezados amigos Isabella Passos e Lucas Castro, muito obrigado pela vossa participação no Teologia com Graça. Você além de ser “alguém tão importante para Deus”, lembra da velha música, pois bem, pode participar assiduadamente de nosso blog, aliás, deixa de falsa modéstia pois quem dialóga com o pensamento complexo de Schopenhauer, está habilitado para discutir questões simples em nosso blog.A respeito do livro, a obra pode ser adquirida em Belo Horizonte na loja da CPAD (Rua São Paulo, 1371, Loja 1 , Centro, Belo Horizonte, MG. Fone (31) 3224-5900. Nosso gerente é o prestimoso Geziel Vieira Damasceno), ou então, pelo site da cpad ou clicando no ADQUIRA JÁ que abrirá uma página no site da cpad.Muito obrigado e que Deus o abençoe.Esdras Costa Bentho

    Responder
  • 3. Aruan  |  31/07/2007 às 04:36

    Não está havendo uma crise de identidade católica. O que acontece – apenas – é que nós, católicos, estamos esclarecendo pontos que anteriormente permaneceram mal compreendidos e interpretados. A Missa Nova e a Missa Antiga são ambas ‘válidas’, mas apenas a Missa antiga é protegida canonicamente, o que por sua vez mostra apenas que a liberação ampla da missa tradicional é uma petição de coerência interna há muito pedida pelos fiéis ao papa, que prontamente também escutou o povo de Deus.
    Isso, é claro, sem contar que o próprio papa é favorável à essa ampla permissão.

    Não há crise de identidade, ms crise de compreensão do que seja o catolicismo.
    A dicotomia está aí, infelizmente.

    Responder
  • 4. Aruan  |  31/07/2007 às 04:36

    Não está havendo uma crise de identidade católica. O que acontece – apenas – é que nós, católicos, estamos esclarecendo pontos que anteriormente permaneceram mal compreendidos e interpretados. A Missa Nova e a Missa Antiga são ambas ‘válidas’, mas apenas a Missa antiga é protegida canonicamente, o que por sua vez mostra apenas que a liberação ampla da missa tradicional é uma petição de coerência interna há muito pedida pelos fiéis ao papa, que prontamente também escutou o povo de Deus.Isso, é claro, sem contar que o próprio papa é favorável à essa ampla permissão.Não há crise de identidade, ms crise de compreensão do que seja o catolicismo. A dicotomia está aí, infelizmente.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


julho 2007
D S T Q Q S S
« jun   ago »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

@lucasparisi


%d blogueiros gostam disto: