Folha de São Paulo de hj

14/11/2006 at 20:21 Deixe um comentário

Acusação virou prova, diz Gushiken ao sair
Ex-ministro afirma, em carta de despedida a Lula, que crise do mensalão acabou com “presunção de inocência” no paísPetista disse que pediu para deixar de ser ministro; seu substituto no Núcleo de Assuntos Estratégicos é irmão de Mercadante DA SUCURSAL DE BRASÍLIA
Em carta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva na qual se despede do governo, o ex-ministro e hoje chefe do Núcleo de Assuntos Estratégicos da Presidência, Luiz Gushiken, afirma que a crise do mensalão abalou o pilar da “presunção de inocência”. Segundo ele, certas acusações se transformaram em “prova de culpa”.”Os aspectos deletérios daquela crise [do mensalão] também não podem ser esquecidos. Na voragem das denúncias abalou-se um dos pilares do Estado de Direito, o da presunção de inocência, uma vez que a mera acusação foi transformada no equivalente à prova de culpa”, afirma o petista na carta.Para Gushiken, o clima político-eleitoral estabeleceu “juízos distorcidos”. “Com base nesse preceito execrável buscou-se destruir reputações. O clima político-eleitoral envenenado pela maledicência turvou o ambiente, contaminou as percepções e estabeleceu juízos distorcidos”, disse o petista.Na carta, Gushiken diz que partiu dele a iniciativa de deixar o ministério. “Naquela conjuntura, (…) fiz questão de ser destituído da condição de ministro para que, em meio à crise política que se instalara, pudesse responder às acusações e evitar que as inúmeras ilações feitas contra minha conduta prejudicassem o governo.”Com a saída de Gushiken, o coronel Oswaldo Oliva Neto, atual secretário-geral do NAE e irmão do senador Aloizio Mercadante (PT-SP), assume interinamente a função.Marcos ValérioGushiken fez parte do grupo de ministros da coordenação de governo, o chamado “núcleo duro” de Lula. No ano passado, perdeu o status de ministro ao deixar a Secretaria de Comunicação de Governo.Ele foi acusado por Henrique Pizzolato, ex-diretor do Banco do Brasil, de ter ordenado à Visanet que fizesse contrato com o empresário Marcos Valério. Gushiken nega.Como chefe do NAE, Gushiken sofreu um desgaste com o caso das cartilhas que faziam promoção do governo. O Tribunal de Contas da União suspeita de superfaturamento. Gushiken também nega essa acusação e diz que as cartilhas foram impressas seguindo o “procedimento padrão”.A saída de Gushiken foi classificada como simbólica pela oposição no Senado. “A demissão encerra o núcleo duro responsável pela arquitetura de um projeto de poder de longo prazo que organizou um complexo esquema de corrupção”, disse o líder da minoria, Álvaro Dias (PSDB-PR).”[A saída] é simbólica. Agora, do filme “Entreatos”, só sobrou a dona Marisa”, disse o líder do PFL, José Agripino Maia (RN), citando o filme de João Moreira Salles sobre os bastidores da campanha de Lula em 2002.O pefelista Antonio Carlos Magalhães (BA) ironizou: “Por que o senhor Gushiken, (…) na sua carta, não entrega o seu sigilo bancário, fiscal e telefônico para que possamos fazer uma análise da sua figura em relação ao governo Lula?” (EDUARDO SCOLESE E SILVIO NAVARRO)

Anúncios

Entry filed under: Uncategorized.

APENAS CONTATOS COMERCIAIS Saterb.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


novembro 2006
D S T Q Q S S
« fev   dez »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

@lucasparisi


%d blogueiros gostam disto: